Gestão

A Associação dos Amigos da Oncologia – AMO é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, de relevante interesse público e integrante efetivo da sociedade civil organizada. Presta honrosos serviços humanos e sociais a pessoas carentes com câncer de todo o Estado de Sergipe e acolhe, ainda, pessoas com a referida doença do sul de Alagoas, norte e centro-sul da Bahia e até do estado de Pernambuco. Nossa demanda pela assistência social e de saúde em oncologia aumenta a cada dia. As portas da organização estão sempre abertas para atender pessoas com todo tipo de dificuldade em manter os cuidados necessários para combater o câncer.

A principal barreira encontrada, muitas vezes, é a falta de dinheiro e a desestruturação emocional motivada pela doença. Famílias em extrema situação de pobreza e vulnerabilidade social se veem ceifadas com a difícil batalha contra o câncer. Se enfrentar a pobreza e a miséria são desafios ainda não superados no Brasil, imagine combatê-las diante da triste realidade da doença, que desestrutura física e mentalmente não só a pessoa acometida, mas todos que a cerca.

Promover e garantir o acesso a direitos fundamentais durante e após o tratamento do câncer é diuturnamente a nossa razão de existência. Mas nossos caminhos, muitas vezes, são sinuosos, cheios de dificuldades e esbarra no quesito crucial do Terceiro Setor: a sustentabilidade. Esse processo incansável pela sobrevivência remete a um emaranhado de dúvidas e questões que vão encontrando respostas com o tempo e com um projeto simbólico de solidariedade e de cooperação.

Como é, então, administrar uma entidade filantrópica, com qual não se gera lucros, sem ter em mente a possibilidade remota do fracasso e do prejuízo? As respostas podem ser muitas e de todos os tipos, mas de forma certeira convergirá para um só ponto: a boa gestão administrativa e financeira. Ao longo de quase duas décadas de história, nossa associação vem passando por transformações profundas que não se esgotam apenas na multiplicação de seus beneficiados e serviços, nem tampouco no recrudescimento de seus potenciais investidores sociais. Essas transformações permeiam uma gestão administrativa e financeira compromissada em ser a guardiã da missão institucional, que é prestar assistência social em oncologia, preservando os valores de uma sociedade solidária, tolerante e inclusiva.

Em nosso mapa estratégico, por exemplo, identificamos e preenchemos os três pilares da boa administração: o primeiro apoiado na Sociedade, ou seja, tudo o que se relaciona a nossa finalidade, com a assistência às pessoas com câncer. Processos Internos que se relacionam com a organização, com a atividade-meio, pensando como os trabalhadores estão organizados para produzir meios de correspondência à sociedade. E, por fim, os Recursos, que dizem respeito como estamos desenvolvendo as nossas competências para atingirmos metas e objetivos. Promover uma boa gestão administrativa e financeira é, portanto, não dar o passo maior que a perna ou, ainda, buscar recursos para fazer com as mesmas pernas um caminho mais longo e duradouro.