O CÂNCER DE MAMA E A DESCOBERTA: “NUNCA OUVI, NÃO VI NEM CONHECI UM HOMEM COM CÂNCER DE MAMA”

31/10/2018

#CompartilheSuaLuta foi e ainda é a hashtag viralizada pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama – Femama durante a campanha nacional do Outubro Rosa 2018, que se encerra hoje, com o tema central “Sua Jornada Contra o Câncer de Mama Pode Ser Compartilhada”. A Associação dos Amigos da Oncologia – AMO é filiada e representante em Sergipe da Federação e, por isso, abraçou a campanha e seus principais objetivos de que os pacientes comecem a compartilhar dúvidas para achar respostas, a compartilhar medos para encontrar coragem, a compartilhar necessidades para conquistar direitos e a compartilhar conquistas para inspirar cada vez mais pessoas.

Intimamente ligado com a jornada dos pacientes, o projeto Navegação de Pacientes da AMO completou um ano de atuação e, nos dez primeiros meses de navegação clínica, navegou 80 pacientes e familiares em situação de vulnerabilidade social. Desses 80 pacientes navegados, 49 estão em tratamento do câncer de mama, seja em fase inicial, avançada ou metastática. Com a chegada do Outubro Rosa e a hashtag #CompartilheSuaLuta, a equipe do projeto Navegação de Pacientes decidiu compartilhar as histórias inspiradoras de quatro pacientes com câncer de mama navegados.

O primeiro passo para isso acontecer foi sensibilizá-los sobre a campanha, incentivá-los a  compartilhar o enfrentamento do câncer e, por último, levá-los para uma sessão de fotos especialíssima no Studio Jorge Henrique, que fez um trabalho voluntário delicado, cuidadoso e muito expressivo. A partir daí, editamos as fotos e criamos um layout temático do Outubro Rosa. Tudo isso para encerrar, agora, a campanha Outubro Rosa 2018 da AMO de uma forma ainda mais linda, compartilhando vitórias… Reservamos, portanto, quatro expressões que sintetizam a história inspiradora de cada paciente convidado. O paciente José Ailton do Nascimento Santos resume a sua luta contra o câncer de mama com a DESCOBERTA.

O CÂNCER DE MAMA E A DESCOBERTA: “NUNCA OUVI, NÃO VI NEM CONHECI UM HOMEM COM CÂNCER DE MAMA”

O lavrador José Ailton do Nascimento Santos, de 57 anos, é casado, pai de uma filha e avó de um neto. Ele é também um desses casos que quase ninguém conhece ou já ouviu falar. Mas, é fato que o câncer de mama pode sim acometer homens, mesmo que em uma incidência bem menor, quase desconhecida…Morador de Pissareira, no povoado Colônia Treze, no município de Lagarto, centro-sul sergipano, José Ailton vive da terra desde a infância e é por ela que se sustenta e sustenta a sua família.

A vida do lavrador era de casa para roça e da roça para casa até que surge um nódulo na mama no ano de 2012, três nódulos na mama em 2015 e cinco nódulos na mesma mama em 2016. Os primeiros nódulos mamários foram retirados e as biópsias de todos eles deram resultado negativo para câncer. Já em 2016, outro médico realiza punção nos novos nódulos que surgiram e o diagnóstico foi de câncer de mama masculino.

Passados dois meses de diagnóstico, José Aílton inicia o tratamento com 12 sessões de quimioterapia da branca. Ao chegar à sétima sessão, seu médico oncologista clínico decide parar a quimioterapia e encaminhar logo para a mastectomia, já que a resposta ao tratamento quimioterápico não estava dando bons resultados. O paciente foi submetido à mastectomia – a retirada da glândula mamária com esvaziamento axilar – e após recuperação cirúrgica, retomou a quimioterapia com quatro sessões vermelhas.

Com a conclusão da quimioterapia, o paciente passou a fazer uso de bloqueador-hormonal, que deverá utilizar ao longo de cinco anos, e depois se submeteu a sessões de radioterapia, que aguardou chamada numa fila gigantesca de espera em decorrência da quebra recorrente do aparelho de radioterapia do Hospital de Cirurgia e das filas no Hospital de Urgência de Sergipe. Após contrato de convênio público-privado entre a Secretaria Estadual da Saúde e a Clinradi – Clínica de Radioterapia e Imagem de Sergipe, José Ailton realizou suas sessões de radioterapia e concluiu seu tratamento com sucesso.

“Nunca ouvi, não vi e nem conheci um homem com câncer de mama. Quando descobri o meu diagnóstico, fiquei muito assustado. Não sabia o que fazer, nem como reagir. Segui em frente, comecei o tratamento e me fortaleci na fé. Graças a Deus, deu tudo certo”, conta o lavrador José Aílton do Nascimento Santos, impressionado com a descoberta do câncer, mas muito feliz de ter superado essa fase difícil da vida de qualquer pessoa.

Skip to content