O CÂNCER DE MAMA E A SUPERAÇÃO: “SUPEREI TUDO, ESTOU AQUI PRA CONTAR VITÓRIAS E SORRIR PRA VIDA”

31/10/2018

#CompartilheSuaLuta foi e ainda é a hashtag viralizada pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama – Femama durante a campanha nacional do Outubro Rosa 2018, que se encerra hoje, com o tema central “Sua Jornada Contra o Câncer de Mama Pode Ser Compartilhada”. A Associação dos Amigos da Oncologia – AMO é filiada e representante em Sergipe da Federação e, por isso, abraçou a campanha e seus principais objetivos de que os pacientes comecem a compartilhar dúvidas para achar respostas, a compartilhar medos para encontrar coragem, a compartilhar necessidades para conquistar direitos e a compartilhar conquistas para inspirar cada vez mais pessoas.

Intimamente ligado com a jornada dos pacientes, o projeto Navegação de Pacientes da AMO completou um ano de atuação e, nos dez primeiros meses de navegação clínica, navegou 80 pacientes e familiares em situação de vulnerabilidade social. Desses 80 pacientes navegados, 49 estão em tratamento do câncer de mama, seja em fase inicial, avançada ou metastática. Com a chegada do Outubro Rosa e a hashtag #CompartilheSuaLuta, a equipe do projeto Navegação de Pacientes decidiu compartilhar as histórias inspiradoras de quatro pacientes com câncer de mama navegados.

O primeiro passo para isso acontecer foi sensibilizá-los sobre a campanha, incentivá-los a  compartilhar o enfrentamento do câncer e, por último, levá-los para uma sessão de fotos especialíssima no Studio Jorge Henrique, que fez um trabalho voluntário delicado, cuidadoso e muito expressivo. A partir daí, editamos as fotos e criamos um layout temático do Outubro Rosa. Tudo isso para encerrar, agora, a campanha Outubro Rosa 2018 da AMO de uma forma ainda mais linda, compartilhando vitórias… Reservamos, portanto, quatro expressões que sintetizam a história inspiradora de cada paciente convidado. A paciente Maria José Vieira Santos destaca a sua luta contra o câncer de mama com a SUPERAÇÃO.

O CÂNCER DE MAMA E A SUPERAÇÃO: “SUPEREI TUDO, ESTOU AQUI PRA CONTAR VITÓRIAS E SORRIR PRA VIDA”

A dona de casa Maria José Vieira Santos, de 57 anos, é casada, mãe de três filhos, dois homens e uma mulher, e avó de quatro netas. Reside com a família em casa própria no bairro Cirurgia, em Aracaju. Sempre levou uma vida muito tranquila, de dedicação ao marido, aos filhos e às netas, até que recebeu o diagnóstico de carcinoma ductal in situ na mama direita do tipo Her2+ após três meses de idas e vindas realizando exames e buscando resultados para apresentar ao médico.

O diagnóstico de Maria José foi fechado em setembro de 2016 e em 9 de dezembro do mesmo ano, ela foi submetida a uma quadrantectomia da mama direita com esvaziamento axilar, feita em um hospital beneficente da capital sergipana. Após sua recuperação da cirurgia, enfrentou 12 sessões de quimioterapia da branca no Hospital de Cirurgia. Ao concluir a quimioterapia, se submeteu a quase 30 sessões de radioterapia no mesmo hospital. Após isso, passou a fazer uso durante um ano do medicamento Hercpetin, o trastuzumabe, indicado para mulheres com câncer de mama do tipo Her2+.

Sempre muito auto-cuidadosa, a dona de casa Maria José correu para deixar todos os exames em dia. Nesse auto-cuidado, seu mastologista percebe alguma alteração na mama esquerda e, imediatamente, recomenda a realização de uma mamotomia, um exame bem mais específico e preciso para diagnosticar nódulos malignos na mama. Ao sair o resultado, mais uma vez é diagnosticado microcarcinomas do tipo lobular in situ. A orientação foi fazer a mastectomia total.

E assim, Maria José enfrentou corajosamente e com muita fé mais um câncer de mama e mais uma cirurgia, desta vez uma mastectomia radical, para a retirada completa da mama com esvaziamento axilar, feita com sucesso e muito rapidamente no Hospital Universitário, vinculado à Universidade Federal de Sergipe. Como se tratava de microcarcinoma e a paciente já havia se submetido à quimioterapia e à radioterapia, não havia necessidade de repetir esses tratamentos. Agora é só controle e aproveitar a vida, com esperança e alegria.

“Já fui duas vezes diagnosticada precocemente com câncer de mama. Encarei 12 sessões de quimioterapia, 30 sessões de radioterapia, 1 ano de Herceptin (o anticorpo trastuzumabe). Fiz uma quadrantectomia na mama direita e, neste ano, uma mastectomia radical com esvaziamento axilar na mama esquerda. Superei tudo, estou aqui pra contar vitórias e sorrir pra vida”, garante a dona de casa Maria José Vieira Santos, de 57 anos, moradora do bairro Cirurgia, em Aracaju, mãe de três filhos e avó de quatro netas.

Skip to content