Tribunal de contas de se reúne atores sociais para solucionar problemas na oncologia

07/07/2017

Representantes da Associação dos Amigos da Oncologia – AMO participaram na última quarta-feira, dia 5 de julho, na sala de reunião da presidência do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe – TCE/SE, da 2ª Audiência Pública sobre a Oncologia em Sergipe. A primeira audiência ocorreu em maio e reuniu também atores governamentais e não-governamentais, órgãos de controle e grupos de pressão.

Objetivo da audiência foi discutir o quadro caótico da Oncologia em Sergipe, escutar todos os atores envolvidos, conhecer a realidade de cada setor e acompanhar as agendas desses atores sociais a fim de apresentar um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) para solucionar os graves problemas da saúde pública.

De acordo com o conselheiro-presidente do TCE/SE, Clóvis Barbosa de Melo, Sergipe poderia ser modelo de eficiência em serviços de saúde por ser o menor estado do Brasil, mas permanece aquém de estados bem maiores em extensão territorial e com problemas graves como a Bahia, Pernambuco e Ceará.

“Sem querer ser o arauto do caos e da hecatombe, parece que no Brasil nada dá certo. Como o Brasil pode apresentar a maior carga tributária do planeta, ser a 10ª economia mundial e preservar posição entre os países mais corruptos, matando seu povo não só da violência urbana, mas com um sistema público de saúde precário?”, questionou o conselheiro-presidente em desabafo.

ATUAÇÃO SOCIAL
Além da AMO, outras organizações da sociedade civil foram convocadas para a Audiência por representarem pacientes com câncer SUS-dependente e por lutarem pelos direitos assistenciais e à saúde na oncologia, a exemplo da Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe – Avosos, do Movimento Mulheres de Peito e do Instituto Voz Brasil.

Convidada para compor a mesa e fazer uso da palavra, a assistente social e vice-presidente da AMO Verônica Passos descreveu os serviços assistenciais da Associação em mais de duas décadas de atuação, compartilhou da angústia dos pacientes com a demora no acesso aos serviços de saúde, com a fila de espera e com a interrupção do tratamento.

“Temos lutado bastante para não só oferecer assistência social e de saúde de qualidade para nossos assistidos, mas estamos lutando pelos direitos deles. Já realizamos audiências públicas com a Femama [federação brasileira da qual somos associados] na Assembleia Legislativa de Sergipe e estamos encabeçando com a deputada Goretti Reis o projeto de lei de notificação compulsória do câncer e da criação de uma comissão especial de oncologia em Sergipe”, relatou Verônica.

PRESENÇAS
Participaram da Audiência Pública no TCE/SE o conselheiro-presidente Clóvis Barbosa de Melo; a conselheira Susana Azevedo; o secretário estadual da saúde Almeida Lima; a secretária municipal da saúde de Aracaju Waneska Barbosa; o procurador-geral do Ministério Público Especial junto ao TCE/SE João Augusto Bandeira de Mello; a promotora de saúde do Ministério Público Estadual Caroline Leão Melo; e representantes do Hospital de Cirurgia e da clínica OncoHematos.

Skip to content